sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O delegado da Polícia Federal é responsável por grandes investigações que culminaram em prisões de repercussão internacional


Jornal do Farol




O delegado da Polícia Federal é responsável por grandes investigações que culminaram em prisões de repercussão internacional







Nascido em 17 de novembro de 1964, no município de Campinas/SP, Dr. Carlos Fernando Lopes Abelha (Dr. Abelha) é militante do PCdoB.



Profissionalmente, trabalhou vários anos como Investigador da Polícia Civil Paulista, assumindo posteriormente o cargo de delegado de Polícia Federal, estando hoje na Classe Especial. Participou de grandes operações da Polícia Federal, sendo que a realizada no ano de 2001 em Piracicaba, denominada “Operação Piracicaba”, para o combate de fraudes contra a Previdência Social motivou a criação da Força Tarefa no Estado de São Paulo, que foi composta também pelo Ministério Público Federal e INSS. Outras operações como a prisão do maior traficante de drogas do mundo (Juan Carlos Ramírez Abadia), das investigações envolvendo deputados corruptos da Assembléia Legislativa de Rondônia e sobre a destruição criminosa do patrimônio público da extinta RFFSA, são trabalhos que lhe deram muita experiência sob as perspectivas da segurança pública, da ética na política e da ordem econômica, esta vista sob a questão das externalidades negativas causadas pela privatização do serviço público de transporte ferroviário, apurado após a execução da operação Fora dos Trilhos, que motivou a instalação de uma CPI na Assembléia Legislativa de São Paulo, onde concluíram os senhores deputados pelo requerimento junto ao Governo Federal pela intervenção federal em face da concessionária.



Comentário:



O senhor acredita que as coisas podem mudar?



Sem dúvida que sim. Como delegado federal, apenas com o auxílio de alguns policiais ferroviários federais realizei a maior investigação policial sobre ferrovia na história do Brasil, senão a maior. Uma das maiores do Departamento de Polícia Federal sobre crimes praticados em detrimento do sistema público de transporte ferroviário de passageiros e de cargas, e do patrimônio público da extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA), onde foram responsabilizadas empresas privadas dentre as quais se encontram as maiores do mundo em seu ramo de negócio, seus diretores e funcionários, sem que o poder econômico dos mesmos tivesse qualquer influência sobre os atos deste subscritor, o que deixa patente que diante do homem de bem o corrupto não tem qualquer poder.

2 comentários:

  1. Recebam os meus cumprimentos pelo excelente trabalho, nobres profissionais! Creio que é com o esforço de cada um de nós, policiais das diferentes denominações, que contribuiremos para um país melhor.

    ResponderExcluir
  2. Parabens pelo exelente trabalho, quem sabe faz e faz direito, não podemos parar por aí, o negócio é olhar para frente e cair em cima dos "contraventores" muitos morrendo de velhice e continuam lavando dinheiro sujo e sonegando impostos por aí... Pra cima deles!
    forte abraço a todos os colegas

    ResponderExcluir