quinta-feira, 23 de setembro de 2010

UMA NOVA IMAGEM DA POLICIA FERROVIARIA FEDERAL








Uma nova imagem se faz da *futura Policia Ferroviária Federal, engraçado não é Futura....., a primeira Policia especializada do Brasil e a 2ª na história deste país esta sendo considerada como nova, o que incomoda não é ser nova mais sim o descaso que fizeram com milhares de companheiros que morreram e deixaram seus entes com saudades e os companheiros que ficaram mutilados ou até mesmo paraplégico, alguns não estão presentes outros impossibilitados em se mover para uma mobilização, o descaso com nossa Gloriosa Polícia Ferroviária Federal vem do governo FHC,quando das privatizações e concessões aos Estados e Municípios com tudo isso a PFF foi perdendo força tendo seu Departamento fechado em Brasília na época do tal governo.
Hoje vemos o interesse do Governo Federal em reestruturar a PFF, mais como fazer isso, somente poderá ser reestruturada com o efetivo que fazia parte nos anos de 90 pois a experiência destes homens será de suma importância, por isso existe esta luta dos companheiros da CNRPFF em Brasília dioturnamente, em um manifesto postado neste blog enviado por nosso colega Maia de Fortaleza o mesmo faz uma colocação lúdica do momento em que os PFFs cedidos aos poderes públicos Estaduais e Municipais estão vivendo vejamos:
"SABER QUE EM MUITOS LUGARES ESTAMOS CADA DIA MAIS COMO ALVOS A SEREM EXTERMINADOS, DIVIDIDOS, ISSO NÃO PODEMOS ACONTECER, SE VOCÊ PARTICIPA, PARABÉNS, SE NÃO, SE ESFORCE EM AJUDAR OS SEUS REPRESENTANTES, POIS VI DE PERTO ESSA NECESSIDADE."
Não é  difícil entender como nossos companheiros que estão cedidos , estão se sentindo, INSEGUROS, lógico quando trocam nosso pessoal por uma vigilância armada para fazer patrulhamento nos trens , nem só os usuários ficam INSEGUROS como todos os que fazem parte do sistema ferroviário, e quando surge o problema tem que acionar nosso pessoal, em São Paulo a pouco tempo atrás vimos uma cena que remete a isso, vigilantes de uma empresa terceirizada protagonizou cenas de violência e descaso com usuários que estavam em uma composição inclusive um idoso chegou a ser agredido por um destes terceirizados, quando saiu a noticia se enfatizou que SEGURANÇAS da CPTM agrediram passageiros, sabemos que muitos de nossos amigos fazem parte do Policiamento Ferroviário da CPTM, e que isto repercute diretamente a eles, como em todo o Brasil que esta utilizando empresas terceirizadas para fazer patrulhamento ostensivo em trens e plataformas.
De quem é este direito e dever.
Na Carta Magna esta bem especificado,
CAPÍTULO III
DA SEGURANÇA PÚBLICA
Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
I - polícia federal;
II - polícia rodoviária federal;
III - polícia ferroviária federal;
IV - polícias civis;
V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.

§ 3º A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Então porque agora as concessionárias estão querendo fazer do patrimônio da União o quintal de sua casa contratando empresas de serviço de vigilância para fazer tais serviços.
O porque quando demitiram o pessoal da PFF não observaram a tranferência dos mesmos para o Ministério da Justiça causando assim um descaso com aqueles que faziam verdadeiramente a segurança dos trens de cargas e passageiros, hoje tudo é como eles querem, Não... Basta.. de insegurança nos trens de passageiros de agressões a país de famílias e a idosos.
Também nosso migo Maia transcreveu uma palavra da representante do MPOG.
Indagada pelo companheiro Eduardo e em seguida por Dr Reginaldo ela se apressou a dizer ;
"SE NÃO HOUVE  A POSSIBILIDADE JÁ NOS TERIA DITO QUE NÃO"
Isso significa que ao ser abordada a mesma disse que interesse sim do MPOG e que precisava de mais tempo para verificar os trabalhos de conformidade com o Ministério da Justiça a Portaria 855.
Sabendo-se que foi estipulado o prazo de 60 dias já estamos indo a 90, mais não tem problema tudo se resolverá. Moisés demorou 40 anos para entrar na terra prometida vamos aguardar o tempo que for preciso...atentos que a terra prometida foi dada aos filhos de Israel, não se rasgaram as vestes , não acabou o calçado não faltou comida nem bebida, e Deus deu a Vitória e somos o povo de Israel esperando a Terra Prometida.
Fiquem cientes que o manifesto que Maia mandou é bem explicativo e determinado a explicar o que houve na reunião com toda a clareza e confiança de recebermos a vitória. Não vamos distorcer os fatos somos uma corporação com quase 150 anos de história e não vamos nos cansar em lutar por nossos ideais.
Parabéns aos companheiros que estiveram em Brasília.
EDUARDO COIMBRA (MG), WILSON (BA), MAIA (CE), AUGUSTO LIMA (PE), FERNANDO PELIZZARI(RS) DECCO E SOUZA (RJ).
Lembro também que na passagem de Moisés o Faraó não queria libertar o povo Hebreu e Moisés teve que travar uma verdadeira batalha com ele onde DEUS enviou pragas, transformou agua em sangue fez com que Moisés mostra se sinais e mesmo assim os Egípicios não queriam libertar o povo Hebreu até que as forças do Faraó cederam diante da ultima praga que Deus enviou, mesmo assim perseguiram o povo por todo o deserto até que Deus deu a vitória a eles sucumbindo todos no mar vermelho.
Vamos vencer este faraó em nome de Jesus.
Abraço a todos...

Texto:
PFF Abrão 
Blogpffbrasil

4 comentários:

  1. parabéns companheiro e muito obrigado pelas palavras de incentivo a todos nós,precizamos ser guerreiros e unificarmos esta força.

    ResponderExcluir
  2. Favor dar notícias da reunião do dia 30.Vamos continuar na luta,sabendo que o nosso general,Cristo,está no controle de tudo;e que Ele sempre é fiél. Ass: Itassuá dos Santos Aguiar.

    ResponderExcluir
  3. POLÍCIA FERROVIÁRIA FEDERAL
    PARA ENTENDER DIREITO


    Saiu na Folha de hoje (10/09/10)

    “A colisão entre um ônibus e um trem de carga deixou nove mortos e 15 feridos no centro de Americana (127 km de SP), anteontem à noite.
    Carregado de milho, soja e açúcar, o trem atingiu em cheio o ônibus municipal da viação Cidade de Americana, que levava 28 pessoas.
    O veículo foi arrastado por cerca de 200 m e partiu-se ao meio -os passageiros foram 'lançados' pelo buraco. Acabou sendo prensado em outra locomotiva parada.
    Os mortos são quatro homens e cinco mulheres entre 37 e 76 anos -todos estavam no ônibus. Oito feridos continuavam internados ontem à noite, sem risco de morrer.
    A Polícia Civil investiga as hipóteses de imprudência do motorista e de falhas na sinalização. Também apura se o motorista se confundiu sobre a locomotiva parada e desrespeitou a sinalização”

    Existe uma polícia chamada Polícia Ferroviária Federal no Brasil. Ao menos em teoria. Ela, na verdade, é a polícia especializada mais antiga no Brasil (criada em 1852, ainda no império. Mais ou menos na mesma época de nosso Código Comercial), e a Constituição de 1988 confirmou (ou, como dizemos em direito, recepcionou) sua existência.

    Em teoria ela deveria ser responsável por todos os aspectos relacionados às ferrovias brasileiras, incluindo a fiscalização e prevenção de acidentes nos 26 mil quilômetros de malha ferroviária (trilhos).

    Essa é uma polícia que caiu no esquecimento e cuja a carreira praticamente desapareceu por falta de regulamentação, mas que, segundo a nossa Constituição, deveria existir.
    A existência dessa polícia não é facultativa: a Constituição estabelece que ela existe. Quando a Constituição estabelece algo facultativo, ela deixa isso claro. Por exemplo, no artigo 154 ela diz que “a União poderá instituir (...) imposto não previsto (...)”. Não é o que ocorre com o artigo 144, onde ela determina a existência da polícia ferroviária:
    “A segurança pública (...) é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: (...) polícia ferroviária federal”
    A maior parte dos antigos policiais ferroviários federais acabaram demitidos, aposentados (o último concurso que consegui localizar foi em 1989), ou emprestados a outras instituições (especialmente as de gerência e controle dos trens urbanos). Hoje, segundo uma pesquisa rápida na internet, existe menos de oitocentos policiais ferroviários no Brasil e a fiscalização e prevenção de acidentes nas ferrovias acaba, na prática, tendo de ser feita por outras instituições (incluindo outras polícias) e por seguranças privados.

    JERBÁSIO CÂNDIDO DA SILVA
    PFF-NATAL/RN
    SUP.DE SEG. METROFERROVIÁRIA
    GRAÇAS A DEUS !!!!

    ResponderExcluir
  4. Como no relato acima, nós policiais Ferroviarios de Bh, transferidos do Rio de Janeiro,estamos sendo vitimas de um grande destrato por parte de nossa chefia,quando nos dizem que teremos que usar um uniforme ridiculo,idealizado pela CBTU Bh,e nos atribui serviços que não condizem que a função a qual fomos treinados.Tendo a firma terceirizada a executar nossas funções.

    ResponderExcluir