quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Delegado da PF aponta apropriação criminosa do patrimonio ferroviário

Delegado da PF aponta apropriação criminosa do patrimonio ferroviário

Extraído de: Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo  -  23 horas atrás




"Só vi destruição, escombros, vandalismos, descaso das concessionárias e negligência das autoridades públicas." Este foi o retrato feito pelo delegado da Polícia Federal de Piracicaba, Carlos Fernando Lopes Abelha, sobre a situação do patrimônio pertencente à malha ferroviária paulista. Responsável pelo inquérito instaurado para apurar crimes praticados contra os bens da extinta Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA), Abelha prestou depoimento nesta terça-feira, 1º/12, à CPI do Sistema Ferroviário, presidida pelo deputado Vinícius Camarinha (PSB).

O inquérito foi iniciado em março de 2008, motivado por ação da Polícia Ferroviária Federal que desvendou esquema de furto de equipamentos ferroviários pertencentes à RFFSA, como vagões e trilhos, para venda como sucata. A ação criminosa era feita por funcionários de uma das concessionárias que operam em São Paulo e de um ferro-velho de Piracicaba.
A Polícia Federal montou a operação denominada "Fora dos Trilhos", que identificou materias ferroviários em usinas siderúrgicas e ferros-velhos. O delegado Carlos Fernado Lopes Abelha e sua equipe fizeram diligências em várias regiões do Estado de São Paulo, bem como no Paraná e Minas Gerais, e constataram uma rede de comercialização criminosa do patrimônio ferroviário paulista.
Material nobre vira sucata
Segundo Abelha, foi localizada vasta quantidade de material em empresas siderúrgicas e ferros-velhos. A polícia chegou a apreender notas fiscais que caracterizavam esse material como sucata. Porém, diz o delegado, em muitos casos tratava-se de material novo: peças de locomotivas, truques desmontados com rodas de primeira vida, em excelente estado de conservação, além de eixos, vagões, trilhos, sistemas elétricos.
Parte do material identificado pela polícia era nova, sem uso, vinda diretamente do almoxarifado. Entre 1.300 eixos depositados no ferro-velho Mundica, de Piracicaba, 90% encontavam-se em boas condições para uso. Da mesma forma, a Polícia Federal do Paraná apurou a venda de mais de 200 locomotivas elétricas, que foram destruídas, e centenas de vagões que viraram matéria-prima.
Para o delgado Abelha está claro que são produzidos danos intencionais em grande parte desse material para que possa ser vendido como sucata. No entendimento da América Latina Logística (ALL), maior concessionária do transporte ferroviário de carga, o contrato de concessão lhe confere o direito de efetuar a venda de sucatas e de bens não-servíveis.
Não é a mesma a opinão do delegado da PF. Para ele, para que o material possa ser vendido como sucata é preciso haver a autorização da agência reguladora (ANTT). Além do mais, argumenta Abelha, todo material em questão é formado por bens reversíveis, isto é, bens pertencentes ao concedente, e por isso devem ser devolvidos ao final do contrato para a União.

Nenhum comentário:

Postar um comentário