quinta-feira, 1 de julho de 2010

Trem-bala

 
O tempo da viagem? Estimado em 1 hora e 33 minutos. Quem quiser viajar de trem-bala entre Rio de Janeiro e São Paulo deverá pagar no máximo R$ 199,80 pela tarifa na classe econômica. O preço-teto foi determinado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que aprovou nesta quarta-feira os estudos econômicos e financeiros da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para a realização do leilão do empreendimento.
 
A previsão é de que o primeiro trem de alta velocidade do país entre em operação cinco anos após o aval da área ambiental e as primeiras desapropriações de terrenos no trajeto. Ele deverá passar por pelo menos oito estações, No estado do Rio de Janeiro haverá três: duas na capital e uma em Volta Redonda. Em São Paulo, uma estação deverá ficar na capital, no Campo de Marte, uma no aeroporto de Guarulhos, duas em Campinas e outra em São José dos Campos. A construção das estações de Aparecida (SP), Resende (RJ) e Jundiaí (SP) será opcional.
 
Os estudos apontam apenas um traçado genérico para o trem. Os participantes do leilão poderão propor traçados diferentes, mantendo as cidades previstas no edital para serem atendidas. Se esse trajeto sair da zona que o governo se comprometeu de fazer as desapropriações ambientais, o custo a mais ficará por conta da iniciativa privada.
Investimento

O governo criará a estatal Empresa do Trem de Alta Velocidade (Etav), para participar da Sociedade de Propósito Específico (SPE) que vai construir o trem-bala. O percentual da participação estatal na SPE dependerá do aporte de recursos que será necessário para as desapropriações de terras para a construção da ferrovia.
 
O valor total do empreendimento, previsto anteriormente pela ANTT, era de R$ 34,6 bilhões e, depois da análise técnica do TCU, passou para R$ 33,1 bilhões. Segundo o relator da proposta, ministro Augusto Nardes, a redução se deve à inconsistências detectadas nas obras civis.
 
O vencedor da licitação será a empresa ou consórcio que oferecer a menor tarifa-teto para o trecho expresso entre Rio de Janeiro e São Paulo. Grupos coreanos, japoneses, chineses, espanhóis, franceses e alemães já manifestaram interesse pelo projeto, uma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
 
Segundo o relatório, a receita operacional bruta do empreendimento será de R$ 192 bilhões durante os 40 anos de vigência da concessão. Cerca de 18 milhões de pessoas poderão circular anualmente nessa ferrovia
.
informações da Agência Brasil e do jornal O Estado de S. Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário